Áreas de Intervenção

 

Paul da Praia da Vitória

 

Localização

O Paul da Praia da Vitória está situado no meio do Atlântico, na ilha Terceira, uma das nove ilhas que constituem o arquipélago dos Açores. A sua localização no centro urbano da cidade da Praia da Vitória, torna esta zona húmida peculiar e rara na região da Macaronésia.

 

História e evolução

O Paul da Praia da Vitória foi em tempos uma lagoa de grandes proporções, formado por um grande complexo dunar onde, por subida do nível freático e entrada de água do mar, se formavam complexos lagunares de água salobra que albergavam grande diversidade biológica.

Desde a época de colonização, quer devido à degradação ambiental quer ao risco que representavam as suas áreas pantanosas, o Paul era considerado um risco à saúde pública. Apesar de a cidade da Praia da Vitória ter crescido de costas voltadas para o Paul, muitos habitantes recordam-no como sendo fonte de subsistência, favorecendo a captura de sardinhas, tainhas, pequenas enguias e recolha de ovos.

Ao longo dos tempos o Paul da Praia da Vitória foi fortemente ameaçado pela pressão urbana provocada pelo desenvolvimento da cidade da Praia, levando quase à sua extinção. Contudo devido à sua capacidade de resiliência, caraterística deste tipo de ecossistemas, conseguiu manter-se, embora confinado a uma pequena área.

Em 2001, o Paul era apenas uma pequena fração da sua realidade original, compreendendo uma faixa de água pouco profunda, de 50 metros de comprimento, cujas dimensões laterais mudavam com a maré, mantido pela emersão do nível freático e pelo canal de drenagem que fazia a ligação ao mar, que desagua na marina da Praia da Vitória.

Com a importância das zonas húmidas cientificamente fundamentada e aceite, o Município da Praia da Vitória decidiu intervir na recuperação deste ecossistema. Em 2009, terminado um longo processo de recuperação física desta zona húmida (aumento do espelho d’água e arranjo paisagístico da envolvente através de processos de desaterro e modelação do terreno), o paul passou a ser local de passagem obrigatória para os observadores de aves que visitam os Açores bem como para os locais que, ao usufruírem deste espaço, já lhe reconhecem a sua importância.

Em dezembro de 2012, o Paul da Praia da Vitória é reconhecido pela Convenção de RAMSAR como zona húmida de importância internacional. A atribuição deste estatuto despertou a população local e visitante para a importância deste ecossistema e incentivou o seu conhecimento e preservação garantindo que esta zona húmida, de elevado valor ecológico e sociocultural, seja preservado para as gerações futuras.

 

Importância ecológica

O Paul da Praia da Vitória possui um papel importante no regulamento do ciclo hidrológico local, sendo que o seu corpo de água funciona como um sistema absorvente das escorrências superficiais da bacia hidrográfica envolvente.

Trata-se de um ecossistema de elevada produção primária capaz de dar suporte à vida selvagem, nomeadamente à avifauna migratória. A sua localização permite a observação de um número considerável de aves oriundas dos continentes europeu e americano, sobretudo anatídeos, que por diversas razões são desviadas das sua rotas migratórias e utilizam o paul para se alimentarem a recuperarem.

Esta zona húmida possui, espécies de flora caraterísticas deste tipo de ecossistemas que proporcionam locais de refúgio para as aves, não só para repouso como também para proteção de possíveis predadores. No caso das aves residentes, para além do abrigo, esta vegetação permite-lhes construírem os ninhos aquando do seu período de reprodução.

 

Paul do Belo Jardim

 

Localização

O Paul do Belo Jardim localiza-se na freguesia do Cabo da Praia junto à Praia da Riviera, ilha Terceira (arquipélago dos Açores).

 

História e evolução

A população local relembra esta zona húmida na sua situação original, como sendo uma lagoa de grandes dimensões com uma população de juncus muito densa. Recorda ainda que quando o mar entrava de forma intensa chegava até à estrada impedindo o acesso à mesma: “Quando tal acontecia, deixava-se passar a maré e o recuo da mesma para rapidamente se passar a pé naquele local. No Verão, em que muitas vezes se mirava no horizonte o ar trémulo, o lago secava, formando uma espessa camada de limos, que depois de secar era aproveitado pelos mais jovens como campo de futebol. Na época em que era difícil adquirir uma bola, evitava-se pontapeá-la na direção dos juncos, porque além de sujeitos a sofrerem algumas picadas para a resgatarem, a bola podia furar e ser o fim do jogo, ou fim dos jogos por muito tempo, até à sorte de haver nova bola”. A zona balnear adjacente era frequentada maioritariamente por americanos uma vez que apanhar banhos de sol não era um costume terceirense “Os americanos tentavam bronzear as suas peles claras ao longo de um amplo areal, com pedras lisas, búzios e conchas de várias cores, faziam surf nas enormes ondas, e, no fim do dia, recriavam-se com as suas potentes motos percorrendo todo o areal e subindo as dunas. Pouco a pouco os terceirenses aproximaram-se das praias, invadiram a Riviera, mas depressa se fartaram dela… Desejaram o betão e o progresso a que tinham direito, então decidiram reduzir a praia a menos de metade… “ Francisco José Diniz Soares.

Atualmente possui uma área de pequenas dimensões, estando inundado apenas quando chove intensamente. Este paul é dos poucos existentes, na região da Macaronésia, que ainda possui sistema dunar.

 

Importância ecológica

Esta zona húmida apesar de se encontrar numa situação muito alterada relativamente à original possui espécies de flora caraterísticas deste tipo de ecossistemas que propiciam o aparecimento de diversas aves, facultando-lhes alimento e abrigo.

Apesar do Paul do Belo Jardim se encontrar atualmente seco, tem características favoráveis ao aparecimento de várias aves marinhas e limícolas (aves de pernas altas que preferem habitats lodosos), incluindo nestes dois grupos não só aves residentes, mas também aves migratórias, muito apreciadas pelos amantes do turismo ornitológico.

 

Paul da Pedreira do Cabo da Praia

 

Localização

O Paul da Pedreira situa-se no Cabo da Praia, na ilha Terceira (arquipélago dos Açores), mais concretamente na zona industrial da freguesia, junto ao parque de combustíveis.

 

História e evolução

Este Paul teve origem na exploração de uma pedreira, existente no local durante os anos 80. Define-se como uma área de terreno baixo, submerso ou periodicamente inundado por água salgada, estando a periodicidade de inundação ligada às marés e à precipitação. Pelo facto do nível freático estar muito próximo da superfície, formam-se lagunas costeiras e zonas encharcadas, onde se encontram comunidades de tendências halófitas (plantas, essencialmente terrestres, tolerantes à salinidade).

 

Importância ecológica

Esta zona húmida é considerada muito rica em termos de biodiversidade, especialmente em avifauna dado que alberga uma diversidade muito grande de espécies e indivíduos. Reúne as condições ideais para as limícolas, aves de pernas altas que preferem habitats lodosos e para alguns patos migratórios e outras raridades oriundas do Norte da América, África e Europa, surpreendendo quem por lá passa. Por essa razão é considerada, por muitos observadores de aves, como o maior e um dos melhores locais para a prática do turismo ornitológico.

O facto desta zona húmida possuir espécies de flora caraterísticas deste tipo de ecossistemas, que servem de abrigo e refugio para as aves também propicia o seu aparecimento em grande número. 

 

 

 

Locations of Site Visitors